Skip to content

Bolsonaro diz que segurança não deve ser tratada com “filósofos e antropólogos”, mas por militares

O pré-candidato à Presidência da República do PSL, deputado Jair Bolsonaro, declarou nesta quarta-feira (6) que a atual superlotação dos presídios brasileiros é um problema “de quem cometeu o crime”.

Durante sabatina de pré-candidatos promovida pelo jornal Correio Braziliense, ele disse ser preciso acabar com a audiência de custódia e prender imediatamente suspeitos a fim de não corre o risco de cometerem novos delitos. Portanto, cabe ao criminoso arcar com a vivência em presídios operando acima das capacidades.



“Eu acho que a chance de alguém que pratica um furto ficar detido é zero junto com a audiência de custódia. Tem de acabar com isso. E não vem com essa historinha ‘ah, os presídios são cheios e não recuperam ninguém’. É problema de quem cometeu o crime”, falou.

Bolsonaro acrescentou que a segurança pública tem de ser discutida com policiais militares, como vem fazendo na pré-campanha, e demais pessoas que trabalham na área, não com “filósofos e antropólogos”. Ele disse respeitar as profissões, mas ressaltou que a questão é “grave”.

Comentário:

O discurso de Bolsonaro sobre a segurança pública é um reflexo direto da insatisfação popular com a forma como o Estado vem tratando a criminalidade em nosso país.

Bolsonaro diz que segurança não deve ser tratada com “filósofos e antropólogos”, mas por militares. Em parte, Bolsonaro está certo. O principal objetivo de um presídio não é a recuperação do criminoso, mas o seu afastamento da sociedade. Isso é muito mais uma demanda militar do que filosófica.

A objetividade e a “frieza” com que o Deputado trata o assunto, no entanto, é o que espanta algumas pessoas. Isso é compreensível, tendo em consideração que boa parte dos presidiários não obtiveram a devida defesa de suas causas.

No final das contas, porém, levando em consideração um país marcado pela impunidade e violência, pesa muito mais a opinião de um possível Presidente que demonstra possuir punhos de ferro contra o crime, do que mãos de veludo.

Fonte: UOL
Comentário: Will R. Filho

3 thoughts on “Bolsonaro diz que segurança não deve ser tratada com “filósofos e antropólogos”, mas por militares”

  1. Caro Will, ler um psicologo escrever "O principal objetivo de um presídio não é a recuperação do criminoso, mas o seu afastamento da sociedade. Isso é muito mais uma demanda militar do que filosófica." , mostra o quanto o ensino dado aos alunos em certas Universidades , brasil a fora , principalmente a da area Humana, esta muito ruim. Para o bem da sociedade , joque o seu diploma no lixo

  2. Olá, Anônimo!

    A sua opinião é importante, mas é interessante que não opte pelo "anonimato" quando faz uma crítica direta ao comentarista.

    Será que o Anônimo conseguiria explicar o motivo pelo qual o – principal – objetivo de um presídio não é o afastamento do criminoso da sociedade, e por qual motivo essa não é uma demanda com ênfase na atuação militar?

    Se acredita que consegue, fundamente. Contraponha o argumento com inteligência e não confunda o conteúdo da matéria com o seu autor.

  3. E vc que escreveu o comentário contra Will, jogou sua dignidade no lixo, deveria se envergonhar. Também sou psicólogo e para mim bandido e presídios é caso de polícia e não de psicólogo. Presídios são sim um local para se tirar a liberdade daquele que cometeu crimes e não para recuperação. Ser bandido não é doença para se recuperar, o bandido optou pelo seu ato, somente ele com sua mente e seu corpo e mas ninguém pode ser atribuído o ato criminoso e portanto ele tem que ser totalmente responsável pelos seus atos como qualquer um considerado adulto deve ser. Faça um outro favor, deixe de ser idiota, ou você acredita que a v´timia é o único culpado pelo crime? Nunca ví uma vítima de assassinato ter uma outra chance, e por que dar ao bandido uma outra chance de cometer crimes deixando livre ao invés de subtraindo a sua liberdade. Caro Will você está corretíssimo, abraços.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *